Democratização Jurídica | Inclusão Legal | Content Law      #LawIsCool

Mulheres ocupam só 16% dos cargos em conselhos de empresas listadas na B3

Dados da consultoria Heidrick & Struggles apontam ainda estagnação na ocupação de novos assentos por mulheres no meio empresarial
A menor diversidade no quadro de colaboradores se reflete diretamente na tomada de decisão nas empresas
A menor diversidade no quadro de colaboradores se reflete diretamente na tomada de decisão nas empresas - Freepik

COMPARTILHE

Da Redação

A diversidade de gênero continua a ser um desafio para o setor empresarial brasileiro, uma situação que se reflete na composição das diretorias executivas. Um estudo elaborado pela consultoria corporativa e de liderança Heidrick & Struggles, especializada na busca de candidatos para vagas C-level, traz novas percepções para esse debate.

O relatório, que faz parte de um estudo sobre tendências na composição de conselhos administrativos em países ao redor do mundo, é produzido pela área de Prática Global de CEO & Board da empresa, e acompanha e analisa as tendências nas nomeações de diretores não executivos para os conselhos das maiores empresas de capital aberto.

De acordo com o levantamento, as mulheres representam  apenas 31% dos assentos ocupados ao longo de 2022 nas empresas listadas na B3, a Bolsa de Valores brasileira.

Embora a cifra seja a mesma registrada no ano anterior, ela representa uma estagnação em relação a 2019 e 2020, quando os índices foram de 20% e 22%, respectivamente.

Tomada de decisões

Essa menor diversidade no quadro geral de colaboradores se reflete diretamente nos grupos de tomada de decisão das empresas.

Segundo o relatório, as mulheres ocupam apenas 16% dos cargos nos conselhos de administração das empresas B3.

Além disso, de um total de 169 empresas com ações na B3, apenas 44% delas têm duas ou mais mulheres atuando em cargos de alta gerência. Isso sugere que pode haver barreiras ou percepções que impedem o crescimento das mulheres a cargos de alta responsabilidade.

“A diversidade nas empresas é uma exigência tanto do mercado como da sociedade como um todo. Cada organização deve olhar para si, rever suas estruturas, seus processos e estabelecer uma cultura plural em seu cotidiano e suas equipes. Do contrário, seus negócios e sua reputação podem ficar estagnados ou ser prejudicados”, afirma Ana Paula Chagas, parceira no escritório da Heidrick & Struggles em São Paulo.

Em 2022, quando se observa os diferentes nichos de mercado, as empresas de tecnologia e serviços se destacaram ao apresentar uma proporção de nomeações femininas significativamente maior, alcançando 56%.

Em contrapartida, os setores de empresas voltadas para o consumo em geral (37%), serviços financeiros (33%), saúde (25%) e indústria (23%) refletiram as tendências gerais identificadas na pesquisa.

Projeção para o futuro

A B3 estabeleceu que até 2026 as empresas listadas no índice precisam incluir pelo menos uma mulher e uma minoria sub-representada em seus conselhos de administração ou equipes executivas. Do contrário, terão de se explicar publicamente sobre o porquê do não cumprimento da norma.

Para Chagas, a exigência serve como um indicativo de que o panorama ilustrado pela pesquisa pode se transformar nos próximos anos, à medida que as empresas precisarão cumprir o novo requisito regulatório de divulgar a representação de gênero, etnia e raça em seus órgãos de decisão. 

“É importante que outros órgãos fiscalizadores, federações e associações de trabalhadores também exijam das companhias um compromisso integral com maior diversidade na sua força de trabalho. O mercado precisa assimilar constantemente as demandas que já se fazem presentes na sociedade”, diz.

COMPARTILHE

Leia também

Receba nossa Newsletter

Negócios, Compliance, Carreira, Legislação. Inscreva-se e receba nosso boletim semanal.

TAGS

NOSSAS REDES

Nosso site utiliza Cookies e tecnologias semelhantes para aprimorar sua experiência de navegação e mostrar anúncios personalizados, conforme nossa Política de Privacidade.