Democratização Jurídica | Inclusão Legal | Content Law      #LawIsCool

Por que CEOs precisam de assessoria para lidar com dilemas corporativos

Assessor de confiança auxilia o CEO nas tomadas de decisões
CEOs precisam de assessoria para desenhar estratégias de resolução de conflitos
CEOs precisam de assessoria para desenhar estratégias de resolução de conflitos - Freepik

COMPARTILHE

Caio Campello de Menezes

No mundo empresarial, ter um assessor de confiança pode auxiliar o CEO a gastar menos tempo e energia nas tomadas de decisões em um conflito corporativo. Cargos de liderança são, muitas vezes, solitários. Contudo, a ajuda externa serve como um “sounding board”, com quem o CEO pode testar percepções sobre a natureza do conflito e as possíveis soluções.

O “conselheiro de confiança” do CEO oferecerá orientação personalizada para ajudar a entender melhor a disputa e a desenhar estratégias viáveis para sua resolução. 

Assessoria de conflitos

Megacorporações, pequenas empresas e startups podem fazer uso de assessoria de conflitos. Ela permitirá que o CEO chegue à resolução do conflito, atendendo os interesses da companhia e os resultados. 

Mesmo sabendo que alcançar uma solução perfeita nem sempre é viável, ao lado desse assessor, o CEO poderá encontrar maior clareza e serenidade para lidar com os dilemas de um conflito corporativo.

Quando tratado de forma eficiente pelo CEO, o conflito pode servir como um catalisador para melhorar o diálogo, o entendimento e a colaboração entre as partes dentro do ambiente corporativo. 

A gestão de conflitos torna-se um mecanismo de escuta e de análise. Além de fortalecer laços dentro da organização, preservando relações entre colaboradores, times de um projeto, gerentes executivos, acionistas, membros do conselho e proprietários.

Abordagens

Existem várias abordagens para gerenciar conflitos e o assessor de confiança do CEO pode ajudá-lo a adotar o estilo mais apropriado para aquela situação específica.

Na gestão de conflitos, não há um estilo certo. No entanto, o único caminho errado é aquele que falha em resolver a questão ou que agrava a situação em vez de remediá-la.

Mais importante do que escolher um estilo de gestão de conflito, o CEO entenderá qual é o objetivo final. Assim, escolherá a melhor forma de resolver o conflito, sempre com a possibilidade de recalcular a rota.

Dentre as opções, o CEO deve verificar se aquela situação exige, por exemplo, uma visão colaborativa. Essa abordagem explora soluções mutuamente benéficas para as partes envolvidas no conflito, garante que todos tenham informações completas e considera diferentes ângulos.

Cenários

A gestão de conflitos mais colaborativa é mais eficaz quando a preservação dos relacionamentos da organização é considerada uma necessidade para a companhia. Normalmente, essa abordagem produz melhores resultados a longo prazo, no entanto, pode se mostrar mais desafiadora e demorada. 

Já em situações de impasse, o CEO pode assumir o papel de tomador de decisão. Determinando o que é certo e errado e traçando o caminho para destravar o impasse. 

Embora possa parecer mais autoritário, esse estilo pode se tornar eficiente quando uma ação rápida e decisiva se faz necessária. Mas, ao mesmo tempo, tem o potencial de tensionar a relação entre as partes envolvidas, já que valoriza exclusivamente o julgamento do CEO, marginalizando as preocupações dos demais. 

Há casos de intervenções em conflitos em que o CEO deve ter uma abordagem mais personalizada. Essa atitude é mais recomendada, quando o conflito já escalou para níveis emocionais, exigindo uma intervenção mais pessoal e humanizada

O CEO torna-se, portanto, um “facilitador de sentimentos”, aprofundando-se nas diferentes emoções de cada parte. Além de identificar qual foi a verdadeira causa emocional que deflagrou o conflito. 

Mesmo em um contexto empresarial, é muito comum que divergências envolvendo performance, lucratividade e meritocracia derivam de sentimentos como medo, ansiedade e autoestima.

Prevenção

Além da gestão de conflitos, o CEO também deve passar a contar com ajuda de terceiros para proativamente prevenir conflitos. Assim que surge o primeiro indício de um potencial conflito, o CEO deve tratá-lo de forma imediata, evitando que pequenas divergências se transformem em problemas gigantescos. 

Quando o conflito é negligenciado, ele rapidamente tende a entrar em ebulição, acumulando ressentimentos, mal-entendidos e tensões. 

Questões não resolvidas podem diminuir a produtividade da equipe, aumentar a rotatividade dos funcionários e deteriorar o ambiente de trabalho. 

Assim, o que poderia ter sido uma oportunidade de resolução construtiva de um pequeno problema se transforma em uma fonte oculta de tensão permanente dentro da organização.

O assessor de conflitos pode ajudar o CEO a lidar com questões que envolvam eventuais conflitos de interesse. Como a liderança tem o papel de proteger a integridade da organização e também garantir o alinhamento entre interesses, é preciso não tomar decisões tendenciosas. 

Achar o equilíbrio entre interesses pessoais e suas obrigações profissionais pode representar um complexo labirinto ético, cuja saída pode ser encontrada com maior facilidade com ajuda de um terceiro externo.

COMPARTILHE

Leia também

Receba nossa Newsletter

Negócios, Compliance, Carreira, Legislação. Inscreva-se e receba nosso boletim semanal.

TAGS

NOSSAS REDES

Nosso site utiliza Cookies e tecnologias semelhantes para aprimorar sua experiência de navegação e mostrar anúncios personalizados, conforme nossa Política de Privacidade.