Democratização Jurídica | Inclusão Legal | Content Law      #LawIsCool

Mediação de conflitos: trabalhando a paz de dentro para fora

Processo de reeducação para a paz deve começar em casa e na escola
Sem tratar nosso interior, basta que alguém forneça munição e um conflito será deflagrado
Sem tratar nosso interior, basta que alguém forneça munição e um conflito será deflagrado - Rrodrickbeiler | Dreamstime.com

COMPARTILHE

Caio Campello de Menezes

Os conflitos armados que eclodiram recentemente ao redor do mundo me trouxeram, novamente, um sentimento de não-entendimento e de perplexidade. Por que realmente as pessoas entram em conflito? Sob todas as perspectivas que analiso o conflito, não encontro absolutamente nenhum ângulo que possa justificá-lo. Será que realmente não há outra forma de resolver as nossas divergências?

Por motivos que escapam à minha compreensão, a construção de diálogos (internos e externos) se perdeu, mas precisa ser urgentemente resgatada.

Na tentativa de encontrar respostas, seja como cidadão, seja como advogado, eu me deparei com algumas reflexões trazidas pela antropologia, pela sociologia e pela psicologia, que me ajudaram a entender um pouco melhor os gatilhos do conflito. Entretanto, nenhuma resposta, até agora, me trouxe a sinalização de qual seria a solução mais eficaz para prevenir ou solucionar litígios, de forma definitiva e pacífica. Minha missão é encontrar essa resposta. 

De dentro para fora

Nessa jornada de busca, encontrei uma reflexão de Robert Miller sobre a origem dos conflitos, que me parece fazer todo sentido: “É no espírito dos homens que começam as guerras”. Se isso for verdade, deveríamos começar a tratar o humano internamente, em todos os seus aspectos, especialmente os valores como a ética e a moral. Se não tratarmos o nosso interior, bastará que alguém forneça munição e o conflito será novamente deflagrado. Os homens continuarão a se matar se os seus espíritos não forem pacificados. 

Na mesma linha, o psicólogo francês Pierre Weil traz o seguinte ensinamento, na sua magnífica obra “A arte de viver em paz”, publicada pela Unesco: “Mais que ausência de conflito, a paz é um estado de consciência. Não deve ser procurada no mundo externo, mas no interior de cada homem, de cada comunidade e de cada nação”. 

Um dos nossos principais erros, portanto, é interpretar a paz como algo externo ao homem. Se continuarmos a pensar dessa forma, os esforços se concentrarão no tratamento (externo) do conflito e, com isso, as guerras não terão fim.

A maior urgência dos tempos atuais é, portanto, educar as pessoas (principalmente as crianças), para que passem a resgatar a sua paz interior. Infelizmente, isso não é ensinado nas escolas.

Reeducação para a paz

Acredito, fortemente, na educação para a paz. Escolas, tribunais (nacionais e internacionais), administração pública, organizações não governamentais, diplomatas, meios de comunicação deveriam ser convidados a participar desse processo de reeducação da sociedade rumo à pacificação, com foco nas relações pessoais e interpessoais. 

É chegada a hora de optarmos por uma nova metodologia, voltada para dentro, que cuidará do nosso processo individual de pacificação, por meio da compreensão dos nossos sentimentos, interesses e necessidades. Essa reeducação para a paz acabará sendo, portanto, o resultado dessa investigação interna das nossas mais profundas e verdadeiras emoções, especialmente os sentimentos de perda, ódio, vingança e injustiça. 

No seu livro “Getting to Yes with yourself”, o negociador e mediador norte-americano William Ury ensina que nós somos os nossos próprios adversários. Assim, se trabalharmos os nossos interiores, desde a nossa infância, para nos pacificarmos, com empatia e compreensão, os conflitos externos deixarão de existir. Esse é o caminho que acredito deveríamos seguir rumo à pacificação dos conflitos globais.

E esse processo de conscientização pela paz deve começar nas nossas casas e nas salas de aula.

COMPARTILHE

Leia também

Receba nossa Newsletter

Negócios, Compliance, Carreira, Legislação. Inscreva-se e receba nosso boletim semanal.

TAGS

NOSSAS REDES

Nosso site utiliza Cookies e tecnologias semelhantes para aprimorar sua experiência de navegação e mostrar anúncios personalizados, conforme nossa Política de Privacidade.