Democratização Jurídica | Inclusão Legal | Content Law      #LawIsCool

Longevidade: a revolução do século

É a primeira vez na história que idosos continuam ativos, saudáveis e integrados ao mundo econômico em várias partes do mundo
São os 60+ que atualmente turbinam a economia mundial com sua renda
São os 60+ que atualmente turbinam a economia mundial com sua renda - Freepik

COMPARTILHE

Marcos Kirst

Sabemos que o mundo está envelhecendo. E o Brasil também. Segundo o último Censo IBGE, a população cresceu menos, está mais envelhecida e feminina.

A pirâmide está perdendo a base e aumentando a cintura: estamos deixando ser um país de jovens para sermos uma nação de meia idade, com as mulheres sendo, pela primeira vez desde 1872, a maioria em todas as faixas etárias em todas as regiões do país.

No total, elas representam 51,5% da população.

A idade média da população aumentou de 29 anos em 2010 para 35 anos em 2022. O pelotão de brasileiros com 65 anos ou mais cresceu impressionantes 57,4% e agora são 10,9% da população, enquando o grupo de crianças e adolescentes que era de 40% em 1980, ficou abaixo da metade (19,8%). Nos últimos doze anos, o total de crianças de 0 a 14 caiu mais de 5,8 milhões.

Essa realidade está mudando o mundo em alta velocidade. Mais do que uma onda, para alguns especialistas, é um tsunami avassalador que altera paradigmas socioeconomicos e exige mudanças drásticas nas políticas públicas.

O lado bom da moeda

Somos nós, entre milhões de pessoas espalhadas pelo mundo, os sortudos que ganharam as moedas de prata. Esse privilégio beneficia cerca de 10% da população mundial que vai viver mais e melhor do que seus antepassados.

Não estamos falando de trilionários ou bilionários, de herdeiros nascidos em lares abastados, super investidores ou ganhadores da mega-sena.

Falamos de pessoas comuns que depois de uma vida de trabalho duro, criaram seus filhos, conseguiram formar um pequeno patrimônio, ter alguma poupança e conquistar uma aposentadoria que permite “pequenos luxos” como viajar, passar temporadas fora de casa, investir em lazer, cultura e conhecimento.

São os 60+ que atualmente turbinam a economia mundial com sua renda.

Mesmo com recursos moderados, trata-se de um enorme privilégio em um mundo onde a desigualdade nega direitos, oportunidades e vida digna para milhões de pessoas.

A Terceira Idade não mais é o fim da linha

Pense nos seus avós com a sua idade. Eram bem velhinhos, não é mesmo? Eram mais encurvados, mais apagados. Vestiam-se como velhos, comportavam-se como velhos, viviam como velhos, alimentavam-se como velhos. E, de fato, eram velhos. Naquele tempo a sobrevida além dos 65 anos era uma façanha.

Chegar à Terceira Idade era o apito do fim da linha.

Hoje já não é mais assim, tanto que a antiga classificação etária está sendo revista. Até tiram a bengala dos idosos 60+. Atualmente cogita-se passá-la para a Quarta Idade, a nova faixa etária que incluirá os idosos acima de 80 anos.

É uma clara evidência de que estamos sendo mais longevos. Quanto antes começarmos a falar sobre os impactos dessa conquista revolucionária, melhor. Queremos que você participe desse diálogo para usufruir de seus imensos benefícios.

Como aponta um estudo da ALMAP/BBDO, todos os especialistas discordam da ideia de que mudamos ao envelhecer. A verdade é que ficamos cada vez mais quem somos. A coragem de ser quem se é, com menor atenção aos julgamentos externos e internos. Envelhecer é ser cada vez mais quem somos, só que reinventados

Você é um dos protagonistas dessa conversa, mas é preciso mudar rapidamente algumas atitudes diante dessa oportunidade porque como sabemos não existe almoço grátis.

Artigo publicado originalmente no www.longevivendo.com

COMPARTILHE

Leia também

Receba nossa Newsletter

Negócios, Compliance, Carreira, Legislação. Inscreva-se e receba nosso boletim semanal.

TAGS

NOSSAS REDES

Nosso site utiliza Cookies e tecnologias semelhantes para aprimorar sua experiência de navegação e mostrar anúncios personalizados, conforme nossa Política de Privacidade.